Goodreads

Destaques

0 Os Filhos do Éden + Opinião

Os Filhos do Éden  Desde os longínquos anos 60, da Guerra do Vietname e da explosão da cultura hippie, na Califórnia, uma pequena comunidade vive isolada no sopé da Serra Nevada. Aí, os seus membros praticam agricultura de subsistência, para consumo próprio, mas também se especializaram na produção de um excelente vinho que vendem, proporcionando-lhes os meios para a aquisição de outros bens necessários. Mas aqueles anos de paz e felicidade chegam ao fim quando o governo anuncia que vai construir uma barragem perto daquele local, que ficará submerso pelas águas. 
  Desesperadas, as pessoas que construíram ali as suas vidas reagem de uma forma inesperada e quase inverosímil, ameaçando provocar um abalo sísmico de proporções épicas, fazendo-se passar por um grupo ecoterrorista…

Editor: Editorial Presença (Junho, 2014)
Género: Thriller
Páginas: 444
Original: The Hammer of Eden (1998) [Goodreads] [Wook]
   

opinião
★   
  Comportamentos desajustados (ou até mesmo doentes) e mentes patológicas são elementos que me atraem sempre numa leitura; gosto das tentativas de os fundamentar e, por vezes, justificar. Ao centrar este livro numa comunidade relativamente excêntrica que vive isolada do resto do mundo e de acordo com as suas próprias regras sociais, Ken Follett acertou em cheio na minha curiosidade.

  A revindicação destas pessoas ao governo é até bastante compreensível: pretendem impedir a construção de uma barragem que os obrigará a abandonar o terreno em que se fixaram. Contudo, o que começa com uma simples - e pouco credível - ameaça anónima depressa evolui para graves actividades criminosas.

  Em 'Os Filhos do Éden' não andamos à procura dos culpados, sabemos quem eles são desde o início e esta total disponibilidade de informação acaba por funcionar muito bem no livro. Acompanhamos simultaneamente a investigação do FBI pelo ponto de vista de Judy que, por ter a sua competência constantemente questionada e bloqueada por terceiros, acaba por ver os criminosos escapar por um triz uma e outra vez, com consequências catastróficas - este jogo do gato e do rato mantêm-nos interessados no desfecho e saudavelmente enervados com os desenvolvimentos

  Achei muito interessante a análise de ameaças através da voz e da caligrafia. O autor conseguiu pôr-me a torcer por Judy, para que triunfasse num caso que lhe foi entregue injustamente e como modo de insulto. Gostei especialmente de ler sobre a comunidade - como funcionava, como os membros interagiam uns com os outros de acordo com uma hierarquia e como eram manipulados sem que de tal se apercebessem a ponto de olharem para o mundo exterior como degenerado, corrompido, hipócrita e ganancioso ao mesmo tempo que seguiam cegamente um homem que exibia estes mesmos defeitos. 

  Este é um livro cheio de acção e movimento. Há sempre qualquer coisa a acontecer e o autor não perde tempo a avançar história adentro. Depois de ter ficado relativamente desiludida com 'O Escândalo Modigliani', fico muito contente com a minha teimosia em ler mais um livro de Ken Follett...e, certamente, não o último!

Nenhum comentário:

Postar um comentário