Goodreads

Destaques

0 Grande Mulher + Opinião


  O crescimento de Victoria Dawson não é uma tarefa fácil. Com pais exageradamente exigentes com a imagem da filha perfeita, Victoria nunca alcança a fasquia por eles imposta. Mas quando chega a segunda filha, Gracie, Victoria fica felicíssima e entretém-se a acarinhar a irmã, que afortunadamente se torna a filha que os pais pretendiam. Entre lutas para perder peso e o esforço de não parecer demasiado inteligente sob pena de não conseguir pretendente, Victoria debate-se com a carreira profissional que deseja seguir contra a vontade dos pais, porém motivada por Gracie que a adora.
  Em Nova Iorque, Victoria tem finalmente oportunidade de seguir os seus sonhos e escapar à tirania dos pais. Será que se consegue encontrar a si mesma?


Autor: Danielle Steel [site oficial] [facebook]
Editor:Bertrand Editora (Março, 2014)
Género:Romance
Páginas:312
Original: Big Girl (2010) [Goodreads] [WOOK]
   

Opinião
My rating: 1 of 5 stars
Aprecio a premissa de a personagem principal não ser perfeita, competente em todos os aspetos, correta em todos os sentidos. Um autor que saiba manipular as falhas das suas personagens e jogar com elas tem muito espaço para criar um trabalho fantástico, contudo, em 'Grande Mulher', apesar de Victoria não encaixar nos exigentes moldes de imagem corporal impostos por uma sociedade narcisista, o trabalho de desenvolvimento por parte da autora falhou.

Os primeiros a assegurar que Victoria sabe que não é perfeita são os próprios pais através de um comportamento emocionalmente abusivo. E os meus problemas com este livro começam logo aqui: 1) Victoria não se defende, ouve e sofre em silêncio, passivamente, sem confrontar os pais uma única vez em relação à forma como a tratam, pior, Victoria não evolui neste departamento o que dá um ar 'inútil' ao livro e ao seu argumento. 2) Danielle Steel repete e repete (e repete!) os insultos e a mensagem que pretende transmitir como se não tivéssemos a mínima capacidade de retenção mental e como se não a tivéssemos percebido logo pelos dois primeiros capítulos. 3) Quando começamos a olhar com mais atenção para Victoria, a suposta 'mulher imperfeita', começamos a reparar que ela é, na verdade, perfeita em todas as outras áreas da sua vida, só que veste o XL…! 4) As críticas dos pais, as mentalidades e os comportamentos das personagens facilmente nos levam a pensar que o livro foi escrito há alguns anos quando, na realidade, é bem recente.

Como se não bastasse, a história parece avançar à deriva, sem rumo específico, até um final insatisfatório já que Victoria não se aceita, muda o que lhe aborrece fisicamente, não ganha força psicológica nem autoestima suficiente para 'procurar' um homem, ele é que vem ao seu encontro, não se impõe perante os pais ou quem quer que seja… etc. etc. Pessoalmente, não vejo o sentido de escrever um livro deste género se no final a personagem vitimizada não encontra uma voz para mostrar aos outros como a fizeram/fazem sofrer ou não encontra o seu caminho bem longe das pessoas que a molestaram.

Repetitivo, pouco original, fraco em conteúdo, antiquado…a minha estreia com Danielle Steel foi uma surpreendente desilusão.


Nenhum comentário:

Postar um comentário