Goodreads

Destaques

1 O Grande Gatsby + Opinião

  A existência de F. Scott Fitzgerald coincide literáriamente com os dois decénios que separam as duas guerras, repartindo-se entre a América onde nasceu, numa pacata cidade do Middle West, no Minnesota, e a França, onde viveu durante vários anos com a família.
  O seu nome evoca-nos uma geração que associamos à lendária idade do jazz, vertiginosa e fútil. Fitzgerald pertenceu a essa geração, foi um dos seus arautos. A sua vida tão precocemente visitada pela fama, e tão cedo destruída, é a carne e o sangue de que é feita a sua obra.
  O Grande Gatsby é o seu maior romance, talvez porque nele se fundem com rara felicidade essa matéria-prima, a sua própria experiência de vida, e uma linguagem de grande qualidade poética.

Autor: F. Scott Fitzgerald
Editor: Editorial Presença (2011)
Género: Romance
Páginas: 176
Original: The Great Gatsby (1925)


Opinião
My rating: 5 of 5 stars
O Grande Gatsby é muito mais do que aparenta de início e é também prova de que, com relativamente poucas palavras, é possível contar uma história absolutamente formidável... Não me refiro ao óbvio romance mas sim a tudo o que está por detrás do mesmo.

F. Scott Fitzgerald pintou um magnífico quadro do início do século XX ao descrever uma atmosfera urbana moderna marcada pela especulação financeira, pela inovação tecnológica, pela corrupção e pelo consumismo extremo. A descrição de uma sociedade supérflua apostada na aplicação narcisista da sua riqueza, na exibição de liberdade e na frenética busca pela felicidade é soberba deixando ainda espaço para a demonstração da diferença entre classes sociais associadas também ao complexo racial. Senti-me completamente transportada para este mundo vibrante - Fitzgerald fez com que a electricidade e a proliferação dos carros e dos telefones parecesse realmente uma novidade também para mim.

…E num mundo de tanta realização industrial é também possível «criar» pessoas: e foi isso mesmo o que Gatsby fez com ele próprio! De origem humilde, Gatsby força a sua entrada numa sociedade à qual não pertence tornando-se para os que o rodeiam num homem misterioso sobre o qual são espalhados os mais variados rumores. Mas Gatsby personifica o que é estar só no meio de uma multidão: apesar das festas badaladas e de ter a casa constantemente cheia, nunca ninguém se aproximou o suficiente para o conhecer realmente, ninguém sabe da sua devoção e dedicação a uma única mulher - Daisy. Assim, ao enganar os outros, Gatsby engana-se a si próprio, correndo atrás de um sonho que já passou do prazo, perseguindo o seu verdadeiro amor enquanto vive uma mentira vazia.

É através de Nick que vamos conhecendo, pouco a pouco, Gatbsy. Nick Carraway pode parecer na maioria das vezes a única pessoa sóbria no meio desta agitação, mas é também ele produto da sociedade em que se inclui e a qual nos permite analisar através das suas observações. É também através dele que presenciamos o desenvolvimento do romance entre Daisy e Gatbsy; aqui, até o amor é marcado pela superficialidade e associado ao consumismo, ao desejo arrebatado de possuir. O amor de Daisy por Gatbsy é reflexo da riqueza que ele possui e exemplo disso é a sua resposta ao arrebatamento romântico de Gatsby… um simples e oco um comentário à sua aparência requintada.

E claro, sendo a "sentimentalóide" que sou, foi o final que me arrebatou. A decepcionante sensação de não ver um sonho realizado, de perceber que este não era sequer realizável - Daisy não passava de uma ilusão à qual Gatsby teimou em se agarrar em todos os seus anos de solidão, uma mulher que sendo estupidamente inocente ou inocentemente estúpida nunca poderia compreender Gatsby nem corresponder aos seus sentimentos. Ainda assim, Jay Gatbsy persegue o seu sonho com o máximo carinho e dedicação, até à tragédia.

Claro que por detrás de um grande romance está obrigatoriamente um grande escritor. A narrativa é belíssima, poética e pomposa mantendo-se, ainda assim, fluída e descomplicada. O Grande Gatsby é mesmo um Grande livro.

Frases Preferidas:
"(...) life is much more succesfully looked at from a single window, after all."
"(...) simultaneously enchanted and repelled by the inexhaustible variety of life."
"But I am slow-thinking and full of interior rules that act as brakes on my desires." 
"Everyone suspects himself of at least one of the cardinal virtues, and this is mine: I am one of the few honest people that I have ever known."
"No amount of fire or freshness can challenge what a man can store up in his ghostly heart."
"For a while these reveries provided an outlet for his imagination; they were a satisfactory hint of the unreality of life, a promise that the rock of the world was founded securely on a fairy's wing."
"Gatsby believed in the green light, the orgastic future that year by year recedes before us. It eluded us then, but that's no matter - tomorrow we will run faster, stretch out our arms farther...And one fine morning - So we beat on, boats against the current, borne back ceaselessly into the past."

Um comentário:

  1. Estava cheia de medo de ler este livro, mas achei-o incrível! Adorei a opinião!!

    ResponderExcluir