Goodreads

Destaques

3 Série Tudor


Série Os Tudor
  • Catarina de Aragão (The Constant Princess - Tudor #1);
  • Duas Irmãs, Um Rei (The Other Boleyn Girl - Tudor #2) ;
  • A Herança Bolena (The Boleyn Inheritance - Tudor #3);
  • A Espia da Rainha (The Queen's Fool - Tudor #4);
  • O Amante da Rainha (The Virgin's Lover - Tudor #5);
  • A Outra Rainha (The Other Queen - Tudor #6);


 

Catarina de Aragão
Tudor #1
Catarina de Aragão«Catarina de Aragão nasce Catarina, Infanta da Espanha, de pais que eram reis cruzados. Aos três anos foi prometida ao príncipe Artur, filho e herdeiro de Henrique VII da Inglaterra, e é educada para ser princesa de Gales. Sabe que o seu destino é reinar sobre aquela terra distante, húmida e fria. 
A sua fé é posta à prova quando o futuro sogro a recebe no seu novo país com uma grande afronta; Artur parece ser pouco mais do que uma criança; a comida é estranha e os costumes vulgares. Lentamente, adapta-se à sua primeira corte Tudor, e a vida como mulher de Artur vai-se tornando mais suportável. Inesperadamente, neste casamento arranjado começa a nascer um amor terno e apaixonado. Mas, quando o jovem Artur morre, ela tem de construir o seu próprio futuro: como pode agora ser rainha da Inglaterra e fundar uma dinastia? Só casando com o irmão mais novo de Artur, o alegre, mas mimado Henrique. O pai e a avó de Henrique são contra e os poderosos progenitores de Catarina revelam-se de pouca utilidade. No entanto, Catarina possui um espírito lutador é indomável e fará qualquer coisa para alcançar o seu objectivo; mesmo que tal implique contar a maior das mentiras e mantê-la.»

 
Editora: Civilização Editora (2006)
N.º Páginas: 384
Título Original: The Constant Princess

 
~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-

 
Duas Irmãs, Um Rei

Tudor #2
Duas Irmãs, Um Rei
«"Duas Irmãs, Um Rei" apresenta uma mulher com uma determinação e um desejo extraordinários que viveu no coração da corte mais excitante e gloriosa da Europa e que sobreviveu ao seguir o seu próprio coração.
Quando Maria Bolena, uma rapariga inocente de catorze anos, vai para a corte, chama a atenção de Henrique VIII. Deslumbrada com o rei, Maria Bolena apaixona-se por ele e pelo seu papel crescente como rainha não oficial. Contudo, rapidamente se apercebe de que não passa de um peão nas jogadas ambiciosas da sua própria família. À medida que o interesse do rei começa a desvanecer-se, ela vê-se forçada a afastar-se e a dar lugar à sua melhor amiga e rival: a sua irmã, Ana. Então Maria sabe que tem de desafiar a sua família e o seu rei, e abraçar o seu destino.»

 
Editora: Civilização Editora (2008)
N.º Páginas: 640
Título Original: The Other Boleyn Girl

 
~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-

A Herança Bolena

Tudor #3
1539, a corte de Henrique VIII teme cada vez mais as constantes mudanças de humor do rei envelhecido e doente. Apenas com um bebé, como herdeiro, o rei tem de encontrar outra esposa e o perigoso prémio da coroa de Inglaterra é ganho por Ana de Cléves. Apesar de se mudar para um país onde os costumes e a língua são estranhos, Ana tem as suas razões para aceitar o casamento com um homem com idade para ser seu pai.
Autor: Philippa Gregory
Editora: Planeta (2007*)
N.º Páginas: 475
Título Original: The Boleyn Inheritance

* Reedição. Este livro foi publicado pela Civilização em 2007.





~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-


A Espia da Rainha
Tudor #4
«No Inverno de 1553, a jovem Hannah, uma judia de 14 anos, e o pai fogem para Londres perseguidos pela Inquisição Espanhola. Fixam-se nesta cidade e abrem uma livraria onde Hannah conhece o Lord Robert Dudley, um aristocrata influente. Dudley apercebe-se de que Hannah tem o dom de ver o futuro e leva-a para a corte para ser o bobo e espiar as irmãs, rivais e pretendentes ao trono, Mary Tudor e Elizabeth. Contratada como bobo, mas a trabalhar como espia, prometida em casamento a um judeu, mas apaixonada por Lord Robert Dudley, ameaçada pelas leis contra a heresia, traição e feitiçaria, Hannah tem que escolher entre a vida segura e tranquila de uma pessoa comum, ou a vida no centro das perigosas intrigas da família real.»

 
Editora: Civilização Editora (2005)
N.º Páginas: 456
Título Original: The Queen's Fool


 

~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-


O Amante da Rainha
Tudor #5
O Amante da Rainha«Numa época em que a segurança de um país não era um dado adquirido e em que a Europa vivia em clima de guerra quase permanente, Isabel sucede ao trono da Inglaterra sob ameaça de inimigos internos e externos. A situação agrava-se quando se apaixona pelo ambicioso Robert Dudley, um dos homens mais odiados do país. Ambos não parecem dispostos a abdicar da sua paixão, mas a segurança da Inglaterra torna-se precária.Numa fase conturbada da história da Inglaterra, em pleno século XVI, com a Europa mergulhada em sangrentas guerras entre católicos e protestantes, Isabel, a princesa protestante, sucede à sua irmã Maria a católica. Para conquistar o equilíbrio do poder, Isabel terá de se haver com os inimigos externos, nomeadamente a Escócia e a França. No entanto, Isabel é uma rainha ainda jovem e com sede de atenção e de amor. Robert Dudley, saído do cativeiro da torre de Londres sabe disso e a precariedade da prisão não lhe impediu uma ambição sem limites. A antiga amizade com a causa de Isabel transformar-se-á numa tórrida paixão, contudo cheia de obstáculos, a começar pelo casamento de Robert com Amy, sua jovem mulher. Amy, por sua vez, o que mais deseja é uma vida tranquila, fora do bulício da corte, em conjunto com o seu amado esposo. Porém, este tem outros objectivos de vida.»

 

Editora: Civilização Editora (2007)
N.º Páginas: 446
Título Original: The Virgin's Lover



~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-

 

A Outra Rainha

Tudor #6
A Outra Rainha «Com a sua característica combinação de magnífica narrativa com um contexto histórico autêntico, Philippa Gregory dá vida a esta época de grandes mudanças, numa fascinante história de traição, lealdade, política e paixão.
Maria Stuart, Rainha dos Escoceses, está em prisão domiciliária em casa de Bess de Hardwick, recém-casada com o Conde de Shrewsbury, mas continua a lutar para recuperar o seu reino.
Maria é Rainha da Escócia mas foi forçada a abandonar o seu país e a refugiar-se na Inglaterra, governada pela sua prima Isabel. Nesta época, a Inglaterra é um país com um protestantismo mal alicerçado, pressionado pelo poder da Espanha, da França e de Roma, e a presença de uma carismática governante católica pode ser perigosa. Cecil, o conselheiro-mor da Rainha Isabel, concebe então um plano para que Maria viva enclausurada com a sua cúmplice, Bess de Hardwick. Bess é uma mulher empreendedora, uma sobrevivente perspicaz, recém-casada com o Conde de Shrewsbury (o seu quarto marido). Mas que casamento resiste aos encantos de Maria? Ou à ameaça de rebelião que a acompanha a todo o momento? No seu cativeiro privilegiado, Maria tem de aguardar pelo regresso à Escócia e pelo reencontro com o seu filho. Mas esperar não significa nada fazer!»

 
Editora: Civilização Editora (2009)
N.º Páginas: 475
Título Original: The Other Queen

 
A Minha Opinião:
É certo que a minha classificação deste livro não seria tão elevada se Maria, A Rainha dos Escoceses não fosse, de longe (!), a minha rainha preferida.

Entrei no livro já a adorar a personagem principal, portanto admito que isso toldou toda a minha visão relativamente ao resto do livro - não estava interessada em que Philippa Gregory me contasse uma história bonita, queria que ela relatasse a história de Maria o mais fielmente possível, com detalhes históricos, fatos comprovados, a perceção de Maria quanto ao que acontecia em seu redor enquanto permanecia em cativeiro, as suas motivações e esperanças. E foi isso mesmo que obtive deste livro.

Desta forma, acredito que para outro leitor esta tenha sido uma leitura monótona que se arrasta em pormenores entediantes, confusa devido à constante alternância entre três pontos de vista distintos (o de Bess e o seu marido Lord Shewsberry e o da própria rainha Maria). Percebo pela escrita de Gregory que era suposto afeiçoar-me a Bess devido à sua extraordinária capacidade empreendedora, forte, destemida, responsável…mas não consegui porque esta, naturalmente, se opunha à "minha" rainha.

Reconheço ainda que a história é repetitiva e que, por vezes, parece não andar do sítio. A sua escassez em diálogos abranda ainda mais o ritmo da leitura e pode tornar o livro entediante…

Penso que o objetivo da escritora era levar o leitor a apaixonar-se por esta rainha, tal como todos os que a conheceram pessoalmente…e, apesar de conhecer muito bem o seu trágico fim, desejar fervorosamente que pudesse ter sido diferente.

Mais uma vez, Gregory expande-se em magníficas descrições do século XVI, mas agora de um ponto de vista distante da corte. Não é um livro que recomendo de forma entusiástica porque identifico-lhe muitas falhas e tenho a perceção que será "secante" para muitos leitores - posso apenas dizer que a mim me inebriou!

 

"Só tenho vinte e seis anos e já vivi três vidas! Mereço o lugar mais elevado do mundo e, contudo, ocupo o mais baixo. Mas não deixo de ser uma rainha, rainha três vezes. Nasci Rainha da Escócia, fui coroada Rainha da França, e sou herdeira da coroa da Inglaterra."
"Podem amar-me, odiar-me ou temer-me. Mas nunca permitirei que se compadeçam de mim."
"Prefiro morrer do que não ser livre."
"Mas hoje, de certa forma, e apesar de todos eles, a Rainha dos Escoceses ganhou a batalha. Ela sempre disse que não era uma figura trágica, uma rainha lendária, mas, no fim, acabou por perceber que a única forma de vencer Isabel - derrotá-la, completa e definitivamente - era transformar-se na heroína que Isabel não podia ser: uma heroína trágica, a rainha do sofrimento, ceifada no auge da sua beleza e juventude. Isabel até podia intitular-se Rainha Virgem e arrogar-se uma grande beldade, rodeada de admiradores; mas Maria, Rainha dos Escoceses, será aquela que todos irão recordar como a bela mártir deste reino, por quem os apaixonados, voluntariamente, se dispunham a morrer. A morte dela é o crime de Isabel. A traição dela é a única e maior vergonha de isabel. Assim, ela ganhou essa coroa. Perdeu na constante rivalidade de ambas pelo trono de Inglaterra, mas irá ganhar, quando a história for escrita. Os historiadores, homens na sua maior parte, ficarão completamente apaixonados por ela e, vão inventar, sobre ela, todas as desculpas, uma e outra vez."

"En Ma Fin Est Mon Commencement."

3 comentários:

  1. Adorei seu blog! Estou doidinha atrás de versões em pdf/epub dessa coleção da Philippa Gregory! Você teria ou saberia onde conseguir? Obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Amooo todos os livros!!! AMOO OS TUDOR

    ResponderExcluir
  3. Post muito bom! Gostei dos comentários e com postos de vista bem justificados rsrsrs.
    Eu acabei de adquirir pela internet o 1 e o 2 em ingles. Os outros compro depois rsrsrsrs.
    Ah, e as traduções do 4 e 5 também podem ser:
    4- O bobo da rainha
    5- O amante da virgem

    Vi em outros anúncios assim.
    Abraço.

    ResponderExcluir