Goodreads

Destaques

0 Imperatriz (Shan Sa)

Sinopse:
Imperatriz"Esta é a história da mulher que, no século VII, em plena dinastia Tang, se tornou imperatriz Suprema da China, desafiando o poder dos homens e os tabus de toda uma época.
Escolhida aos treze anos para servir de concubina na Cidade Proibida, acabaria por marcar o seu tempo de forma fulgurante. Passou pela guera e pela fome, conheceu as conspirações e as traições, tudo viveu e a tudo sobreviveu. Aos 29 anos, recebeu o título de Imperatriz, tomando o lugar do Imperador na Alvorada dos 50. Com ela, e através dela, a China viveu um dos períodos mais esplenderosos da sua civilização. Para Shan San, autora de "A Jogadora de Go", contar esta aventura épica e intimista foi também uma maneira de reencontrar o fulgor esquecido da história do seu país."

Autor: Shan Sa
Editora: Editorial Notícias (2004)
N. Páginas: 364
Título Original: 
Cotação: 1*




A Minha Opinião
Imperatriz oferece-nos uma visão muito pessoal e íntima desta mulher - a primeira imperatriz suprema da China! A protagonista é, definitivamente, uma figura de extrema importância histórica, embora transpareça como uma mulher maliciosa na sua ambição pelo poder e gananciosa no seu empenhamento político.

É de forma minuciosa e detalhada que Shan Sa desvenda os segredos da Cidade Proibída da China - a opulência e luxo em que a realeza vivia em contraposição com a vida de pobreza e miséria levada pelo povo; as fúteis querelas entre as mulheres do imperador, que lutavam por atenção e destaque; as intrigas e os elaborados esquemas de traição; as tradições e os rituais da época…

Contudo, e penso que tal se deve à veia poética de Shan Sa, embora escrito de forma bonita e com recurso a linguagem muito opulenta, a autora exagerou no sentido de querer dar ao livro um compasso poético e melodioso, acabando por tornar a leitura fatigante e monótona. O ritmo do livro é demasiado lento e a preocupação com a escrita propriamente dita tirou emotividade à narrativa. Tal também se poderá dever, claro, à própria personalidade da imperatriz: fria e calculista.

O nível de pesquisa que terá sido encetado para a composição deste livro é extraordinariamente profundo, a personagem é interessantíssima, tal como a história, o período histórico é bastante rico e atraente, contudo, Shan Sa deveria separar melhor os seus trabalhos: escrever poesia não é o mesmo que escrever romance, e o tom poético numa leitura deste tamanho pode arruinar toda a obra. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário